D. Carlos I (1889-1908): epílogo da monarquia em Portugal?

Isabel Corrêa da Silva

Resumen

The corelation between the regicide of D. Carlos I in 1908 and the fall of the monarchical regime in Portugal two years later in 1910 is evident. Consequently the figure of this king has been treated by historiography as a kind of scapegoat to justify the end of the Portuguese monarchy. The purpose of this text is to articulate structural and conjunctural elements of the political-institutional, economic and social context, in order to assess the robustness of the monarchical institution during the period in which D. Carlos reigned. We will particularly distinguish some of the main elements of the reign of D. Carlos that we believe were decisive for the process of delegitimization and isolation of the Portuguese monarchy that led to its fall. They are: the political crisis of rotativism, the financial crisis, the diplomatic crisis provoked by the British ultimatum, the Portuguese specificity of the political and social culture of liberalism, as well as the inefficiency, or even nonexistence, self-promotion devices of the royal institution.


Palabras clave

Portuguese Monarchy; Republic; D. Carlos I

Referencias

ALMEIDA, Pedro Tavares de (1991). Eleições e caciquismo no Portugal oitocentista (1868-1890). Lisboa: Difel.

CANNADINE, David (1884). The context, performance and meaning of ritual: The British Monarchy and the ‘invention of tradition’. In Eric HOBSBAWN e Terrence RANGER, ed. The Invention of Tradition. Cambridge University Press, 101-165.

CARRILHO, Maria (1985). Forças Armadas e Mudança Política em Portugal no Século XX. Para uma Explicação Sociológica do Papel dos Militares. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

CRISTO, Francisco Homem (1936). Notas da Minha Vida e do meu Tempo. Vol. II. Lisboa: Guimarães Editores.

GUAZZALOCA, Giulia, coord. (2009). Sovrani a metà. Monarchia e legittimazione in Europa tra Otto e Novecento. Soveria Mannelli: Rubbertino.

LOPEZ, Emilio de la Parra, coord. (2011). La imagem publica de los monarcas espanoles en el siglo XIX. Madrid: Síntesis.

MACHUQUEIRO, Pedro Urbano (2013). Nos bastidores da Corte: o rei e a Casa Real na crise da Monarquia 1889-1908. Tese de doutoramento em História, especialidade de História Contemporânea, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa.

MARQUES, Fernando Pereira (2018). O Exército e a Sociedade em Portugal: do Declínio do Antigo Regime ao Advento do Liberalismo. Lisboa: A Regra do Jogo.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo e Isabel Corrêa da SILVA. Elites e nobreza na monarquia liberal portuguesa: um itinerário crítico. In Rui RAMOS, José Murilo de CARVALHO e Isabel Corrêa da SILVA, coord. A Monarquia Constitucional dos Braganças em Portugal e no Brasil (1822-1910). Lisboa: Dom Quixote, 321-351.

NETO, Vítor (1998). O Estado, a Igreja e a Sociedade em Portugal (1932-1911). Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

PEREIRA, Miriam Halpern, Portugal no século XIX, Vol. I Revolução, Finanças, Dependência Externa. Lisboa: Sá da Costa Editora, 1979.

PLUNKETT, John (2003). Queen Victoria: first media monarch. Oxford: Oxford University Press.

QUEIRÓS, Eça de (1983). Correspondência [leitura, coordenação, prefácio e notas de Guilherme de Castilho]. Vol. II. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

RAMALHO, Margarida Magalhães (2002). Cadernos de Desenho. D. Carlos de Bragança. Lisboa: Edições Inapa.

RAMOS, Rui (1994). A Segunda Fundação. Vol. VI de História de Portugal, direcção de José Matoso. Lisboa: Círculo de Leitores.

RAMOS, Rui (2006). D. Carlos. Lisboa: Círculo de Leitores.

RAMOS, Rui, Nuno Gonçalo MONTEIRO, Bernardo Vasconcelos e SOUSA (2009). História de Portugal. Lisboa: Esfera dos Livros.

SANTOS, Manuel Pinto dos (1986). Monarquia Constitucional. Organização e Relações do Poder Governamental com a Câmara dos Deputados. 1834-1910. Lisboa: Assembleia da República, Divisão de Edições.

SEIXAS, Miguel Metelo de e Isabel Corrêa da SILVA (2019). Reliques de souveraineté: insignes et rituels royaux au Portugal sous la monarchie constitutionnelle. In Albrecht BURKARDT et Jérôme GRÉVY (coords.). Reliques Politiques. Rennes: Presses Universitaires de Rennes.

SEIXAS, Miguel Metelo de (2011). Novos ritos para uma cerimónia antiga: a aclamação de D. Pedro V. Heráldica, Representação do Poder e Memória da Nação: o Armorial Autárquico de Inácio de Vilhena Barbosa. Lisboa: Universidade Lusíada Editora.

SILVA, Cristina Nogueira da e Paulo Silveira e SOUSA (2018). Território, Monarquia e a Coroa no liberalismo português. In Rui RAMOS, José Murilo de CARVALHO e Isabel Corrêa da SILVA (coord.). A Monarquia Constitucional dos Braganças em Portugal e no Brasil (1822-1910). Lisboa: Dom Quixote, 147-175.

SILVA, Isabel Corrêa da e Miguel Metelo de SEIXAS (2008). D. Carlos de corpo inteiro. Lisboa: Objectiva.

SILVA, Isabel Corrêa da (2013). O Espelho Fraterno: o Brasil e o republicanismo português na transição para o século XX. Lisboa: Divina Comédia.

TELLES, Basílio (1968). Do Ultimato do 31 de Janeiro. Lisboa: Portugália.

VALENTE, Vasco Pulido (2004). O Poder e o Povo. Lisboa: Gradiva.

VALENTE, Vasco Pulido (1997). Os Militares e a Política (1820-1856). Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

VASCONCELOS, Francisco (2003). A Nobreza do Século XIX em Portugal. Porto: Centro de Estudos de Genealogia, Heráldica da Família da UMP.




DOI: https://doi.org/10.14198/PASADO2019.18.04





Copyright (c) 2019 Universidad de Alicante

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.