PASADO Y MEMORIA. REVISTA DE HISTORIA CONTEMPORÁNEA

D. Carlos I (1889-1908): epílogo da monarquia em Portugal?

Isabel Corrêa da Silva

DOI: https://doi.org/10.14198/PASADO2019.18.04

Resumen

A correlação entre o regicídio de D. Carlos I em 1908 e a queda do regime monárquico em Portugal dois anos depois em 1910 é evidente. Consequentemente a figura deste rei tem sido tratada pela historiografia como uma espécie de bode expiatório para justificar o fim da monarquia portuguesa. O que se pretende neste texto é fazer a articulação de elementos estruturais e conjunturais do contexto político-institucional e económico e social, de modo a aferir a robustez da instituição monárquica no período em que D. Carlos reinou. Distinguiremos particularmente alguns dos principais elementos do reinado de D. Carlos que julgamos terem sido determinantes para o processo de deslegitimação e isolamento da monarquia portuguesa que levou à sua falência. São eles: a crise política do rotativismo, a crise financeira, a crise diplomática provocada pelo ultimato inglês, a especificidade portuguesa da cultura política e social do liberalismo, assim como a ineficácia, ou mesmo inexistência, de dispositivos de autopromoção real.


Palabras clave

Monarquia Portuguesa; República; D. Carlos I

Referencias

ALMEIDA, Pedro Tavares de (1991). Eleições e caciquismo no Portugal oitocentista (1868-1890). Lisboa: Difel.

CANNADINE, David (1884). The context, performance and meaning of ritual: The British Monarchy and the ‘invention of tradition’. In Eric HOBSBAWN e Terrence RANGER, ed. The Invention of Tradition. Cambridge University Press, 101-165.

CARRILHO, Maria (1985). Forças Armadas e Mudança Política em Portugal no Século XX. Para uma Explicação Sociológica do Papel dos Militares. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

CRISTO, Francisco Homem (1936). Notas da Minha Vida e do meu Tempo. Vol. II. Lisboa: Guimarães Editores.

GUAZZALOCA, Giulia, coord. (2009). Sovrani a metà. Monarchia e legittimazione in Europa tra Otto e Novecento. Soveria Mannelli: Rubbertino.

LOPEZ, Emilio de la Parra, coord. (2011). La imagem publica de los monarcas espanoles en el siglo XIX. Madrid: Síntesis.

MACHUQUEIRO, Pedro Urbano (2013). Nos bastidores da Corte: o rei e a Casa Real na crise da Monarquia 1889-1908. Tese de doutoramento em História, especialidade de História Contemporânea, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa.

MARQUES, Fernando Pereira (2018). O Exército e a Sociedade em Portugal: do Declínio do Antigo Regime ao Advento do Liberalismo. Lisboa: A Regra do Jogo.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo e Isabel Corrêa da SILVA. Elites e nobreza na monarquia liberal portuguesa: um itinerário crítico. In Rui RAMOS, José Murilo de CARVALHO e Isabel Corrêa da SILVA, coord. A Monarquia Constitucional dos Braganças em Portugal e no Brasil (1822-1910). Lisboa: Dom Quixote, 321-351.

NETO, Vítor (1998). O Estado, a Igreja e a Sociedade em Portugal (1932-1911). Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

PEREIRA, Miriam Halpern, Portugal no século XIX, Vol. I Revolução, Finanças, Dependência Externa. Lisboa: Sá da Costa Editora, 1979.

PLUNKETT, John (2003). Queen Victoria: first media monarch. Oxford: Oxford University Press.

QUEIRÓS, Eça de (1983). Correspondência [leitura, coordenação, prefácio e notas de Guilherme de Castilho]. Vol. II. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

RAMALHO, Margarida Magalhães (2002). Cadernos de Desenho. D. Carlos de Bragança. Lisboa: Edições Inapa.

RAMOS, Rui (1994). A Segunda Fundação. Vol. VI de História de Portugal, direcção de José Matoso. Lisboa: Círculo de Leitores.

RAMOS, Rui (2006). D. Carlos. Lisboa: Círculo de Leitores.

RAMOS, Rui, Nuno Gonçalo MONTEIRO, Bernardo Vasconcelos e SOUSA (2009). História de Portugal. Lisboa: Esfera dos Livros.

SANTOS, Manuel Pinto dos (1986). Monarquia Constitucional. Organização e Relações do Poder Governamental com a Câmara dos Deputados. 1834-1910. Lisboa: Assembleia da República, Divisão de Edições.

SEIXAS, Miguel Metelo de e Isabel Corrêa da SILVA (2019). Reliques de souveraineté: insignes et rituels royaux au Portugal sous la monarchie constitutionnelle. In Albrecht BURKARDT et Jérôme GRÉVY (coords.). Reliques Politiques. Rennes: Presses Universitaires de Rennes.

SEIXAS, Miguel Metelo de (2011). Novos ritos para uma cerimónia antiga: a aclamação de D. Pedro V. Heráldica, Representação do Poder e Memória da Nação: o Armorial Autárquico de Inácio de Vilhena Barbosa. Lisboa: Universidade Lusíada Editora.

SILVA, Cristina Nogueira da e Paulo Silveira e SOUSA (2018). Território, Monarquia e a Coroa no liberalismo português. In Rui RAMOS, José Murilo de CARVALHO e Isabel Corrêa da SILVA (coord.). A Monarquia Constitucional dos Braganças em Portugal e no Brasil (1822-1910). Lisboa: Dom Quixote, 147-175.

SILVA, Isabel Corrêa da e Miguel Metelo de SEIXAS (2008). D. Carlos de corpo inteiro. Lisboa: Objectiva.

SILVA, Isabel Corrêa da (2013). O Espelho Fraterno: o Brasil e o republicanismo português na transição para o século XX. Lisboa: Divina Comédia.

TELLES, Basílio (1968). Do Ultimato do 31 de Janeiro. Lisboa: Portugália.

VALENTE, Vasco Pulido (2004). O Poder e o Povo. Lisboa: Gradiva.

VALENTE, Vasco Pulido (1997). Os Militares e a Política (1820-1856). Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

VASCONCELOS, Francisco (2003). A Nobreza do Século XIX em Portugal. Porto: Centro de Estudos de Genealogia, Heráldica da Família da UMP.




DOI: https://doi.org/10.14198/PASADO2019.18.04





Copyright (c) 2019 Isabel Corrêa da Silva

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.